Evento acontece no próximo sábado, às 8h, com concentração defronte à Praça Central da cidade

O desfile é uma forma de homenagear a pátria e incentivar o patriotismo nos brasileiros – Foto: Divulgação

A população de Caarapó terá a oportunidade de reviver os momentos áureos das comemorações do Dia da Independência no próximo sábado. Tudo por conta do desfile cívico de 7 de Setembro, que acontecerá na data comemorativa da independência do Brasil, com organização da Secretaria Municipal de Educação, Esporte e Cultura (Semeec), às 8h, na Avenida Presidente Vargas, defronte à prefeitura.

De acordo com a organização do evento, haverá participação de escolas das redes municipal e estadual de ensino, projetos sociais, instituições não governamentais e órgãos de segurança. Ao todo serão mais de 1.600 pessoas apenas no desfile. “Certamente haverá um grande público que participará do evento, dado o seu grande apelo patriótico”, afirma Edna Sanada Araújo, da Semeec, que integra a equipe de organização do desfile.

O prefeito André Nezzi (PSDB) afirma que as pessoas precisam resgatar o sentimento de patriotismo, do amor pela pátria, e essa é uma oportunidade para tal. “Temos que despertar o amor pelo Brasil, pela nossa terra nas nossas crianças, e é importante que a gente atente para essa obrigação do Poder Público, promovendo atos dessa natureza”, defende o dirigente.

A pretexto das comemorações da independência, desde a última segunda-feira é promovida diariamente uma cerimônia de hasteamento das bandeiras defronte à prefeitura, com participação dos alunos da Educação Infantil. Na ocasião, são entoados os hinos Nacional e da Independência.

A Independência do Brasil é um dos fatos históricos mais importantes de nosso país, pois marca o fim do domínio português e a conquista da autonomia política. Muitas tentativas anteriores ocorreram e muitas pessoas morreram na luta por este ideal. Podemos citar o caso mais conhecido: Tiradentes. Foi executado pela coroa portuguesa por defender a liberdade de nosso país, durante o processo da Inconfidência Mineira.

A história

Em 9 de janeiro de 1822, D. Pedro I recebeu uma carta das cortes de Lisboa, exigindo seu retorno para Portugal. Há tempos os portugueses insistiam nesta ideia, pois pretendiam recolonizar o Brasil e a presença de D. Pedro impedia este ideal. Porém, D. Pedro respondeu negativamente aos chamados de Portugal e proclamou: “Se é para o bem de todos e felicidade geral da nação, diga ao povo que fico”.

Após o Dia do Fico, D. Pedro tomou uma série de medidas que desagradaram a metrópole, pois preparavam caminho para a independência do Brasil. D. Pedro convocou uma Assembleia Constituinte, organizou a Marinha de Guerra e obrigou as tropas de Portugal a voltarem para o reino. Determinou também que nenhuma lei de Portugal seria colocada em vigor sem o “cumpra-se”, ou seja, sem a sua aprovação. Além disso, o futuro imperador do Brasil conclamava o povo a lutar pela independência.

O príncipe fez uma rápida viagem a Minas Gerais e a São Paulo para acalmar setores da sociedade, que estavam preocupados com os últimos acontecimentos, pois acreditavam que tudo isto poderia ocasionar uma desestabilização social no país. Durante a viagem, D. Pedro recebeu uma nova carta de Portugal, que anulava a Assembleia Constituinte e exigia a volta imediata dele para a metrópole.

Estas notícias, chegaram as mãos de D. Pedro quando este estava em viagem de Santos para São Paulo. Próximo ao riacho do Ipiranga, levantou a espada e gritou: “Independência ou Morte!”. Este fato histórico ocorreu no dia 7 de setembro de 1822 e marcou a Independência do Brasil. No mês de dezembro de 1822, D. Pedro foi declarado imperador do Brasil.