Iniciativa é da prefeitura municipal e visa homenagear comunidade católica e resgatar valores culturais do município; comunidade evangélica e nações que contribuíram com a formação da população local também serão homenageadas 

Caarapó acaba de receber uma imagem do seu padroeiro. Na noite de terça-feira (2), autoridades políticas e eclesiásticas da cidade entregaram formalmente o monumento com a estátua do Senhor Bom Jesus, em solenidade realizada nas proximidades da igreja matriz. A imagem de Jesus flagelado foi instalada na rotatória localizada no cruzamento das avenidas Duque de Caxias e Barão do Rio Branco, no centro da cidade.

A cerimônia teve a presença do prefeito André Nezzi, da primeira dama Paula Luisa, do bispo da Diocese de Dourados, Dom Henrique Aparecido de Lima, do pároco da Paróquia Senhor Bom Jesus, Pe. Ademir Fontana, do vigário Pe. Everton Manarim, dos vereadores Manezinho (DEM), Gilberto (PSDB), Professor Pontinha (PT), Macarrão (DEM), Pipoca (DEM) e Bagaceira (PDT), além de secretários municipais e convidados.

Prefeito André Nezzi discursa na entrega do monumento dedicado ao Senhor Bom Jesus – Foto: Dilermano Alves

Em discurso, o bispo titular da Diocese de Dourados agradeceu a classe política de Caarapó pela iniciativa e conclamou a todos “para continuar a fazer o bem pela população”. Dom Henrique também foi o responsável por abençoar a imagem do padroeiro da cidade. A mesma linha de agradecimentos foi seguida pelo pároco, Pe. Ademir Fontana, e pelo vigário, Pe. Everton Manarim.

Representando o Poder Legislativo municipal, o vereador Manezinho destacou a importância do monumento para a comunidade católica de Caarapó, que celebra o Dia do Padroeiro em 6 de agosto.

Em seu pronunciamento, o prefeito André Nezzi disse que a instalação da imagem do padroeiro de Caarapó faz parte de um projeto de revitalização das rotatórias existentes na cidade. “Nossa intenção é que cada rotatória mostre um pouco da cultura e da história do município”, destacou, acrescentando que “outros monumentos já estão em fase de execução, com o objetivo de homenagear as comunidades evangélica, paraguaia e gaúcha, entre outras. Também serão instaladas réplicas de animais da nossa fauna”.

Devoção ao Senhor Bom Jesus

Conforme artigo da Academia Marial de Aparecida (https://www.a12.com/academia/artigos/chegou-agosto-vamos-celebrar-o-senhor-bom-jesus), a devoção popular ao Cristo da Paixão, Servo Sofredor, com grande ressonância em Portugal, na Espanha, na Itália, teve início na América Latina a partir do período colonial. Daí decorrem inúmeros “títulos” acrescidos à invocação “Senhor Bom Jesus”, recordando os momentos de seu martírio: a agonia (Senhor Bom Jesus do horto, das oliveiras); a flagelação (da coluna, da pedra fria, da paciência); a sua apresentação por Pilatos ao povo com a expressão latina “Ecce homo” – “Eis o homem!” – (da cana verde, do livramento, dos aflitos, da boa sentença, da prisão, Santo Cristo dos milagres); o caminho para o Calvário (dos Passos); a crucificação (do bonfim, da lapa, de matosinhos, da boa morte, do descimento, da pobreza, da agonia, dos remédios, dos montes) e, finalmente, o sepultamento (Senhor Morto).

A devoção ao Senhor Bom Jesus é uma prática religiosa muito antiga, que participa da memória de diferentes localidades, de todos os estados do Brasil. Os primeiros vestígios do culto ao nosso Senhor Bom Jesus, no Brasil, remonta o século XVII, se organizando junto com os primeiros lugarejos que se tornaram cidades importantes.