Atacante pode ser aquele com mais gols em uma única edição do torneio, além do maior goleador do clube na história da Copa. Ele ainda briga pela artilharia da competição

Borja pode entrar para a história do Palmeiras diante do bom desempenho nesta Libertadores. Com média de 1,14 gol/jogo (oito marcados em sete jogos), o atacante tem caminho aberto para buscar a artilharia do torneio e se mantiver o desempenho tem chances de quebrar dois recordes no clube.

O primeiro é de tornar-se o jogador do Verdão que fez mais gols em uma edição da Libertadores. O dono da marca por enquanto é Tupãzinho, que em 1968 fez 11 gols em 14 partidas. Lopes foi quem chegou mais perto do feito, quando marcou nove em 2001 – Borja está a um desta marca.

Autor dos gols da vitória sobre o Cerro Porteño (PAR), o colombiano tem chances também de tornar-se o artilheiro do Palmeiras na história da Libertadores. O atual detentor da marca é Alex, que fez 12 – Tupãzinho é o segundo, Ademir da Guia e Lopes vêm na terceira posição, com nove cada, enquanto o camisa 9 já está empatado com Edmundo e César Maluco. Os números são do departamento de história do clube.

Na disputa pela artilharia desta edição, o palmeirense ainda está atrás de Morelo, que fez nove gols pelo Santa Fe (COL). Mas o caminho está aberto, pois a equipe colombiana foi eliminada na primeira fase da Libertadores. Ou seja, apenas Borja poderá melhorar seus números.

Este é o ano em que Borja conseguiu confirmar a expectativa criada em sua chegada. Em 2017, o nível de atuação não foi o mesmo, nem o tempo em campo, já que Cuca o usava muito pouco. Como comparação, na Libertadores do ano passado, ele fez os mesmos sete jogos, mas não marcou nenhuma vez.

Em números gerais, o camisa 9 conseguiu dez gols em 43 partidas no primeiro ano de Palmeiras. Agora, são 17 em 25 partidas e a artilharia do elenco. Se o Verdão continuar avançando na Libertadores, esta pode se tornar uma temporada histórica para aquele que foi o Rei da América em 2016.

Do Lance!