Bebeto quer apoio do Exército em ações de prevenção ao Coronavírus nas aldeias

Bebeto encaminhou diversas solicitações em sessão virtual da Câmara de Dourados – Foto: João Pires

Diante dos casos positivos de Covid-19 nas aldeias indígenas de Dourados, o vereador Bebeto (PTB) encaminhou indicação a prefeita Délia Razuk (PTB), sugerindo a participação do Exército Brasileiro em parceria com o Estado e Município, nas ações e combate e prevenção do contágio do Coronavírus nas aldeias Bororó e Jaguapiru.

De acordo com o vereador os agentes municipais de Saúde, juntamente com a Sesai (Secretaria Especial de Saúde Indígena) já desenvolvem um trabalho local, porém com o apoio do Exército, principalmente nas ações de conscientização quanto medidas de higiene e uso de máscaras poderiam ser ampliadas. “Vejo como extremamente necessário algumas medidas visando à proteção destes povos junto com o Exército Brasileiro, considerando as particularidades étnica e cultural, bem como as dificuldades enfrentadas nas aldeias, como o saneamento básico, escasso”, justificou Bebeto.

Segundo o boletim epidemiológico do Mato Grosso do Sul, somente entre os dias 16 a 18 de maio, foram registrados 30 novos casos positivos do Covid-19 nas aldeias, fato que aumenta ainda mais a preocupação com a comunidade. A população indígena é composta por pelo menos 17 mil indígenas, em três etnias, Terena, Guaraní e Caiuá.

A indicação foi protocolada na Câmara Municipal, endereçada a prefeita Délia Razuk, com cópias ao secretário estadual de Saúde, Geraldo Resende, ao comandante da 4ª Brigada de Cavalaria Mecanizada, general Eduardo Tavares Martins, ao coordenador da SESAI/MS, Fernando de Souza e ao membro do Comitê Gerenciamento de Crise do Coronavírus, Frederico Oliveira Weissinger.

Bebeto também apresentou outras indicações durante as sessões remotas da Câmara de Dourados, relacionadas ao Covid-19 no município, entre elas a montagem de tendas da defesa civil em todas as UBS (Unidade Básica de Saúde) do município, para auxiliar nos atendimentos de triagens dos eventuais pacientes que apresentarem sintomas e maior fiscalização nos atendimentos realizados nas lotéricas, agências bancárias e comércios onde frequentemente existem filas nas calçadas.