Apreensão de aproximadamente 1 tonelada de cocaína em Três Lagoas se deu através de denúncia anônima

Além da cocaína apreendida, que pesou 954 quilos, mais seis pessoas também foram presas – Divulgação/PF

Facções criminosas estão ‘entregando’ adversários para as autoridades como forma de economizar na guerra pelo controle do narcotráfico em Mato Grosso do Sul. A Polícia Federal desmontou neste domingo (17) uma operação que mantinha frota de caminhões e até um ‘depósito’ de cocaína na BR-158, em local estratégico, quase na saída de Mato Grosso do Sul para os estados de São Paulo, Goiás e Minas Gerais.

Segundo o jornal Midiamax, a apreensão, uma das maiores dos últimos anos, só foi possível porque integrantes de uma facção criminosa adversária ‘entregaram’ a operação dos rivais. A Polícia Federal confirmou que chegou até os narcotraficantes após ‘denúncia anônima’.

Seis foram presos em flagrante e 954 quilos da droga foram apreendidos em Três Lagoas, além de 3 caminhões e um veículo de passeio. Entre os detidos, dois eram motoristas, três eram auxiliares de serviços gerais e um comerciante.

A suspeita é de que todos trabalhavam para uma facção criminosa que atua no narcotráfico de Mato Grosso do Sul com liberdade e organização suficientes para criar verdadeira estrutura logística de uma verdadeira transportadora rodoviária.

A droga foi encontrada armazenada no depósito e seria levada para o estado de São Paulo, segundo a Polícia Federal. A cocaína seguia de Campo Grande com destino a São Paulo, mas antes passava por Três Lagoas, onde era armazenada no entreposto e era mantida no depósito até a saída para o estado paulista.

PCC e CV querem controlar MS: ‘rota fácil’

O PCC (Primeiro Comando da Capital) e o CV (Comando Vermelho) brigam pelo controle da ‘rota fácil’ que Mato Grosso do Sul é considerado.

A fiscalização altamente deficitária e a corrupção policial facilitam o tráfico de drogas e contrabando de produtos lucrativos, como cigarros e pneus, com ‘túneis’ nas rodovias e estradas sul-mato-grossenses.

Além disso, MS é considerado estratégico pela posição geográfica, vizinho do Paraguai e Bolívia, que são entrepostos para o narcotráfico internacional latino-americano, e pelo fácil acesso aos principais polos consumidores e portos brasileiros, em SP, PR, RJ, MG e GO/DF.

Na região de fronteira com o Paraguai, as cidades sul-mato-grossenses assistem a verdadeira guerra com execuções e tiroteios quase diários.