• Por Braz Melo

Nascido na Fazenda São Pedro, pertencente na época a Campo Grande, Wilson Barbosa Martins faz questão de dizer que nasceu na Vacaria, hoje denominação de Rio Brilhante no dia 21 de Junho de 1917. Acredito que por sua influência cultural, levou aos poetas Jorge Antônio Siufi e Otavio Goncalves Gomes a introduzir a sub-região de “Vacaria” no lindo hino de Mato Grosso do Sul ao invés de “Matas de Dourados”.

Wilson Martins completa nesta quarta-feira (21) 100 anos de vida. Mais da metade dedicada a política. A boa política.

Desde cedo foi estudar em São Paulo e frequentou a Escola Rio Branco e depois a Faculdade de Direito no Largo do São Francisco. Voltando pra Campo Grande se tornou um grande advogado, e apaixonado pelas causas publica ingressou na política. Saiu candidato pela UDN em 1950 e perdeu a eleição.  Não desanimou e logo virou Prefeito de Campo Grande, onde organizou a Prefeitura com obras voltadas para a comunidade e fez os primeiros concursos públicos.

Foi Deputado Federal e crítico à ditadura militar. Foi cassado, o que aceitou com resignação e firmeza.  Foi o Primeiro Presidente da OAB- MS e quando da redemocratização da política se filiou ao MDB e saiu candidato, ganhando a eleição em 1982, como primeiro governador eleito pelo povo de MS.

Fez uma administração exitosa e participou ativamente da campanha das Diretas. Foi nesta época que o conheci e a convite de seus companheiros tive a honra de participar desta campanha, quando entrei no PMDB. Com ele tive a oportunidade de conhecer muitas personalidades da política brasileira e recebe-las em nossa Dourados. Tancredo Neves, Teotônio Vilela, Mario Covas, Fernando Henrique Cardoso, Leonel Brizola, Orestes Quércia, Pedro Simon, Franco Montoro, Valdir Pires e Ulisses Guimarães, dentre outras.

Falando em Ulisses, me recordo que após ter feito sua campanha eleitoral para presidência, recebi o maior elogio que poderia ganhar. Ao encontrar com ele em Brasília e perguntando se ele lembrava-se de mim, ele disse “Como posso esquecer de um prefeito de uma cidade grande, que conhece seus eleitores pelo apelido”.

Em 1986, Wilson Martins renunciou seu mandato como governador e tornou-se Senador da Republica, e fez parte da Constituição Cidadã. Pelo seu conhecimento foi membro importante da Comissão de Constituição e Justiça e outras.

Passou pelo PSDB e em 1995 retornou ao PMDB a meu convite, quando voltou a ser Governador do MS e que tive a honra de ter sido escolhido seu vice, representando Dourados naquele pleito e aprendi muito com este homem sincero e culto.

Ficou encantado com a votação em Dourados. Falava que o melhor de toda a eleição foi a festa da nossa vitória. A Marcelino Pires, lotada e exultante

Ao me comunicar que se licenciaria para uma viagem ao exterior por vinte e poucos dias, e eu assumiria o governo, comuniquei-lhe que apesar de estar coordenando o MERCOSUL me sentia um peixe fora d’agua. Nem sala eu tinha. Nas cerimonias nem era citado. Considerava-me saudado “nas demais autoridades”. Foi uma conversa muito franca e ele insistia que eu não deveria voltar a disputar a eleição em Dourados, porem entendeu a minha aflição e descontentamento. Não com ele, mas com os que o cercavam.

Guardo muitos ensinamentos dele e um dos que me marcou foi “No fim dá tudo certo. Se ainda não deu certo, é porque não chegou ao fim’’

Ao completar 100 anos, a nossa admiração e respeito ao Grande Mestre, Doutor Wilson Barbosa Martins.

Braz Melo é vereador e ex-prefeito de Dourados - Assessoria
Braz Melo é vereador e ex-prefeito de Dourados – Assessoria