Alunos indígenas recebem kit escolar em Dourados

Secretário Landmark Rios elogia trabalho da LBV e destaca ações do município nas aldeias indígenas – Foto: Gizele Almeida

Centenas de famílias indígenas receberam kit escolar para agregar à educação das crianças. A ação, na manhã desta sexta-feira, no Cras (Centro de Referência da Assistência Social) da aldeia Bororó, foi direcionada pela prefeitura de Dourados, por meio da Semas (Secretaria de Assistência Social), em colaboração com  a LBV (Legião da Boa Vontade).

Assistentes sociais realizaram a triagem de famílias em maior vulnerabilidade social para recebimento dos materiais doados pela instituição. O kit possui mochila, estojo, lápis, lápis de cor, borracha, apontador, giz de cera, régua, canetas, cadernos, livro, entre outros.

O secretário de Assistência Social, Ladmark Ferreira Rios, destacou que as famílias contempladas com os kits são participantes dos programas da rede. Ele agradeceu o apoio da instituição e discorreu sobre ações no local em favor da comunidade indígena.

“Famílias foram selecionadas por nossos assistentes sociais, são as que buscamos o fortalecimento de vínculos, participantes dos nossos programas. Existe todo um acompanhamento e todo ação para fortalecer a participação das nossas crianças na escola é bem-vinda; a LBV é recebida de braços abertos e com muito prazer, em nome do município e da prefeita, que os recebemos nesse projeto tão maravilhoso”, disse, destacando ainda que a gestão tem trabalhado pela comunidade indígena com apontamento também ao programa “Terra Produtiva”, incentivo à produção agrícola da população.

Egeziel Castro, da LBV, citou que 22 mil kits serão entregues em todo o país e que as ações foram direcionadas para a reserva indígena de Dourados tendo em vista a vulnerabilidade social das famílias e pela “abertura” da prefeitura quanto aos projetos da instituição.

“A prefeitura nos abriu essa a oportunidade de apoiar nesta região que possui carência, o que é possível com a doação de milhares de voluntários que contribuem para que essas crianças sejam incentivadas, com educação e formação de cidadão de bens. Não temos sede aqui, mas com o apoio da gestão é possível seguir com as ações; sabemos que o serviço da rede de assistência social “ensina a pescar” e tem mudado a vida de pessoas”, destacou.

O coordenador do Cras, Kenedy de Souza Morais, destacou na oportunidade, ações atuais voltadas para a comunidade, como oficinas, o Projovem e o Terra Produtiva. Para ele, a gestão tem implantado e mantido ações com a preocupação no atendimento das famílias indígenas, o que tem sido um grande diferencial.

“A questão indígena tem sido priorizada pela prefeitura e é importante sentir isso para a segunda maior reserva do país”, disse.