AFA acerta a saída de Sampaoli da seleção da Argentina

Saída do treinador do comando da Argentina foi negociada neste sábado

Finalmente, aconteceu o que já era mais do que esperado, porém, que se prolongou mais do que o necessário. Jorge Sampaoli não é mais o técnico da seleção argentina. Sua saída foi acertada por um valor bem menor do que o previa na multa rescisória, porém, um pouco maior do que a rescisão custaria depois da Copa América do próximo ano. O acordo saiu por dois milhões de dólares (cerca de R$ 7,8 milhões). Só falta a assinatura e tchau Sampa. Fim de um ciclo que não tinha mais vida.

– Quanto ele quer para sair?” – perguntou Chiqui Tapia (presidente da AFA) ao advogado de Sampaoli, cansado das voltas e reviravoltas. Além do fato de que o presidente havia declarado que o treinador ainda tinha um contrato e esperava vê-lo dirigindo o Sub 20 de L’Alcúdia (“bons homens mantêm a palavra”, declarou), parece que não havia como consertar algo Foi quebrado em todos os lugares.

Se o retorno de um Mundial ruim de qualquer ponto de vista forçou a saída, a entidade pagou menos que os oito milhões de dólares previstos em contrato pela multa. Após a disputa da Copa América de 2019, a cláusula desceria para um milhão de dólares. A negociação pelo AFA começou nos quatro milhões. Analisando esses números, que o acordo é de dois milhões não parece mau negócio para Tapia, Angelici e companhia.

Passo a passo da queda
À medida que a Seleção Argentina passava por uma Copa do Mundo cheia de espinhos, o ciclo de Sampaoli começou a enfraquecer cada vez mais. O duro 3 a 0 contra a Croácia parecia determinar o fim, para o técnico e para a seleção na Rússia. Mas mesmo com a classificação milagrosa para as oitavas o nocaute chegou … A eliminação nas mãos da França condenou o técnico, que, no entanto, resistiu mais algumas semanas. Seu sonho era seguir e virar a chave, algo bem corajoso. Mas a ideia do AFA foi completamente diferente, além de ratificá-lo inicialmente. Houve ums disputa de cordas para não ter que pagar a cláusula de saída. E as coisas ficaram difíceis, com o famoso Torneio de L’Alcudia como campo de batalha. Mas finalmente terminou um ciclo que não deu mais. Sampaoli não permanece na seleção nacional e analisamos passo a passo o que aconteceu em uma semana turbulenta.

-A cláusula de rescisão, o principal obstáculo para interromper seu ciclo: inicialmente eram cerca de oito milhões de dólares. Por outro lado, se continuasse por mais um ano, cairia para pouco mais de um milhão. A falta de um substituto facilmente acessível também desempenhou o seu papel (Simeone, Gallardo e Pochettino, muito difícil).

– O restante da comissão técnica caiu: Sebastián Beccacece, Nicolás Diez e Martín Bressan saíram. Beccacece já assumiu a posição de técnico do Defesa e Justiça.

– Reunião com Tapia (presidente AFA) e Angelici (primeiro vice) em 9 de Julho com um Sampaoli que não pensava em desistir: eles decidiram continuar. Chiqui não confiava mais no ciclo, embora o Tano não estivesse convencido a descartá-lo: “Vamos esperar”, disse o presidente do Boca. Da mesma forma, uma operação de atrito já estava sendo considerada, o que incluiu a reunião do Comitê Executivo da AFA em que os líderes deveriam conduzir um exame de sua conduta. Sampaoli não chegou ao famoso conselho de diretores …

– Após confirmar a sua continuidade, AFA também confirmou que Sampaoli seria encarregado de liderar a Sub-20 no torneio a ser realizada em L’Alcudia, Valencia, no fim de julho. No dia seguinte, em 10 de julho, Sampaoli se reuniu com o que restava de sua equipe técnica e com Tapia, começando a planejar a viagem para L’Alcudia.

– Em 11 de julho, terceiro dia de reuniões, foi confirmado que Sampaoli não seria o responsável pelos Sub-20 naquele torneio. O treinador contou ao próprio Chiqui Tapia. Ele explicou que também ia prepará-lo e que Lionel Scaloni ou Manna, parte de sua equipe técnica, assumiriam a direção técnica. Isso não foi bem digerido pelo presidente da AFA e houve um cruzamento quente entre ele e Sampaoli. Lá eles começaram a analisar mais firmemente a possibilidade de rescisão.

-A 12 de julho Tapia se reuniu com líderes em Puerto Madero, e antes de entrar, disse: “Sampaoli tem um contrato, é o treinador da equipe.” Claro, Chiqui já havia dito algo parecido antes de demitir Bauza.

-A 13 de julho, sexta-feira, Angelici disse: “Eu era um dos idealizadores de sua contratação pois estava entre cinco melhores treinadores do mundo e tinha experiência em uma seleção (Chile). Agora temos que ver onde nós erramos, fazer um compromisso … Os presidentes, você tem que parar a bola, colocá-lo sob a sola e fazer uma análise profunda, você tem que dedicar horas e profissionalismo para a equipe nacional “. Mas isso não foi tudo o que aconteceu naquele dia …

– Com firmeza, Chiqui Tapia pressionou o técnico: “Ele é o técnico da equipe nacional, ele tem contrato e tem que ir para o torneio em L’Alcudia. Os bons homens cumprem sua palavra e ele deu sua palavra. Tem que ir. Não falo com ele há dois dias. Ele tem um contrato, essa é a realidade. Se você quiser se dissolver, terá que nos notificar. Não espero gestos, ele tem que trabalhar, assumiu o compromisso de ir, foi por vontade própria”.

– Neste sábado, 14 de julho, já acelerando sua saída, os dirigentes se comunicaram com Fernando Baredes, advogado de Sampaoli, para ver o que ele queria deixar o cargo. E eles pediram quatro milhões de dólares, pensando em negociar essa quantia. Sim, como Chiqui Tapia insistiu em L’Alcudia.

E no sábado à noite terminava de ser costurada a saída, por dois milhões de dólares. Metade do que o treinador solicitou e quatro vezes menos do que a cláusula de saída indicava. Fim do ciclo …

Do Lance!