Acontecerá na próxima quinta-feira 28, a partir das 19h30min, o evento cultural “Chá Acadêmico” da Academia Sul-Mato-Grossense de Letras, a mais alta entidade literária do Estado, cuja sede é situada na rua 14 de Julho, 4653 – Altos do São Francisco, Campo Grande.

Sempre apresentando uma concisa palestra neste evento mensal aberto, a Academia programou uma imperdível pauta para esta edição e, assim, convidou o médico e escritor Marcos Estevão dos Santos Moura, que explanará sobre o sugestivo tema: “A Expressão Artística e a Fronteira entre Sanidade e Loucura”. Haverá também, na abertura, breves apresentações artísticas especialmente programadas para o evento, como performance poética do declamador Evandro Walker e música com o compositor Mestre Galvão.

Autor de várias obras com teor científico e também obras literárias em prosa e verso, o palestrante Marcos Estevão é médico com título de especialista em psiquiatria e psiquiatria forense pela Associação Brasileira de Psiquiatria e Associação Médica Brasileira. É hipniatra membro da Sociedade Brasileira de Hipnose e mestre em psiquiatria pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. É vice-presidente do Conselho Estadual de Políticas Sobre Drogas do Estado de Mato Grosso do Sul (CEAD/MS). Membro da União Brasileira de Escritores (UBE/MS), é autor dos livros: “A Caserna em Versos e Rimas e um pouco de Prosa”, “Meu nome é Romualdo – a luta contra as drogas”, “Dependência Química – uma prisão de ponta-cabeça”, e “Pedaços de Mim”, poesia. Tem participação em várias antologias e coletâneas literárias estaduais e nacionais, como: “Best-Seller – O Melhor da Literatura”, RJ; “Caminhos” e “Novos talentos”, UBE-MS; “Mato Grosso do Sul 40 anos”, e “Prosas e Segredos da Morena”. Natural de Belém do Pará, reside em Campo Grande/MS desde 1993. É major médico R/1 do Exército Brasileiro, atualmente na reserva remunerada.

Acerca do tema sobre o qual ministrará a palestra na ASL, Marcos Estevão assim resume: “a loucura desde os primórdios da civilização vem sendo vista de diferentes modos, de acordo com o contexto sociocultural ao longo da história. A arte, por sua vez, fez da loucura um tema, afinal trata-se de um fenômeno da humanidade, como qualquer outro, mas que ganha um viés importante na literatura, pois muitas vezes ambas se confundem. Isso é óbvio, já que a Arte é fantasiosa e o artista imerge nessa fantasia, tornando-se um produtor de quimeras. E quimeras confundem-se com loucura. Vamos percorrer, através da expressão artística, um pouco dessa fantasia desde a Antiguidade até o mundo contemporâneo, vendo-a a um tempo como divina, noutro momento como demoníaca e hoje como doença. Mas, se a loucura é doença, o que podemos chamar de normal? Esse é um dos focos abordados pela literatura, ora aceitando o conceito científico da loucura como doença, ora ironizando e criticando esse conceito”.

Com 47 anos de fundação, história e atividades literoculturais, a Academia Sul-Mato-Grossense de Letras registra, ao longo da sua existência, a defesa do vernáculo e o cultivo da arte literária, zelando e incentivando todas as vertentes artísticas e derivações da cultura nacional e estadual. Integrando um dos programas da entidade, o evento ‘Chá Acadêmico da ASL’ acontece a cada última quinta-feira de cada mês, congregando acadêmicos, seus familiares e convidados especiais do sodalício, e sempre apresentando um convidado de destaque. A entrada é franca.